Foram quase dez anos trabalhando para outras marcas até que a estilista Duda Braga decidiu criar a sua. Batizada de Brir, a grife de acessórios começou com vendas para os amigos e os amigos dos amigos até que virou e-commerce de sucesso. Em seguida inaugurou sua primeira loja na Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico,onde até então só funcionava o ateliê.

Para Duda, a mudança é uma evolução natural do negócio,que começou sem grandes pretensões como projeto pessoal em 2012,depois do início da carreira como figurinista na TV Globo e no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; e de passagens por marcas como Farm, Lenny Niemeyer e Isabela Capeto. Contando apenas o período ao lado de Isabela, foram oito anos e mais de dez coleções apresentadas no São Paulo Fashion Week,uma história que reforçou ainda mais seu apego pelo artesanal.

Formada em 2004 pelo Istituto Marangoni, de Milão, a estilista traz para o seu trabalho uma relação forte com a matéria-prima. Cria de forma orgânica, a partir dos materiais que encontra, e só então faz o desenho final. Surgem assim bijoux exuberantes desenvolvidos com resinas importadas da Alemanha, como as de tartaruga; ou interessantes leituras feitas com materiais surpreendentes como a piaçava, comumente associada à produção de vassouras.

Outra característica forte no mix da Brir é a preocupação com o conforto e o caimento das peças e, não à toa, todos os brincos assinados por Duda pesam,no máximo, 9g. É o caso dos brincos “costela de Adão” e “alga”, sucesso entre as cariocas mais bacanas da cidade. Mero detalhe para alguns, a exigência veio com o próprio uso e a partir de conversas com clientes e amigas. Aliás, assim como quase tudo na marca.